724 visualizações,  1 hoje

Você já ouviu falar em Transumanismo? Sabe o que essa palavra quer dizer?

A primeira vez que ouvi falar disso foi lendo o livro Inferno, de Dan Brown. Nesse livro, um grupo Transumanista estaria preparando uma maneira de acabar com a superpopulação no mundo.

Mas afinal, o que quer dizer Transumanismo?

Quero te convidar para uma primeira análise superficial, que seria entender a palavra. Aqui encontramos o “trans” e o “humanismo”. Nesse contexto [1], trans mudança, ou a transição de um estado para o outro. Humanismo, o que somos, nossa espécies. Somando essas duas palavras, poderíamos pensar que transumanismo seria transitar do estado “humano” para outra coisa.

Mas que coisa é essa?

Uma das descrições simples [2] seria dizer que transumanismo é uma corrente de pensamentos que estuda maneiras de usar a tecnologia para melhorar o ser humano. Usar todo nosso conhecimento para melhorar a nossa espécie, para transitar a um estado superior, nos tornando melhores e mais preparados para enfrentar o universo.

O gênero literário que mais aborda esse tema é o Cyberpunk [3] e um dos livros mais famosos nesse gênero é o Neuromancer [4], de William Gibson. Em histórias desse gênero, usamos partes mecânicas para substituir partes perdidas, ou até, melhorar nosso corpo. Órgãos imprimidos em impressoras 3D podem ser implantados em nosso corpo para substituir um órgão doente. Ou até, como em Admirável Mundo Novo [5], que podemos criar remédios capazes de curar qualquer sentimento negativo.

Em um olhar superficial, tudo parece muito lindo e perfeito. Temos a impressão que esse tal de “transumanismo” trará um futuro cheio de coisas boas e redução de sofrimento para nossa espécie. Entretanto, a literatura do cyberpunk traz também ideias do lado sombrio desse tipo de tecnologia.

Com o Soma [6] – remédio que cura de sete a quatorze sentimentos – de Aldous Huxley, podemos nos tornar seres sem sentimentos, enganados por uma felicidade falsa, que seguem suas vidas sem entender o que os sentimentos ruins significam. Outro caso seria, se você tiver um braço robótico, alguém poderia hackeá-lo e assassinar alguém em seu nome. O mesmo poderia ser dito dos imaginados implantes cerebrais.

Em resumo, podemos dizer que o transumanismo tem uma meta principal: acabar com o sofrimento humano. Para isso, estudamos maneiras de curar doenças, viver mais, acabar com o sofrimento de outros ou depredação do planeta, até acabar com sentimentos que nos atrapalham, etc.

E não precisamos viajar para o futuro para encontrar transumanistas. Quantas histórias não ouvimos de viajantes que vinham para a américa acreditando encontrar uma fonte capaz de dar a imortalidade para quem bebesse a água dela ou a busca incansável pelo remédio que tudo cura. O transumanismo é uma vertente filosófica que permeia a existência de nossa espécie. Não está relacionado diretamente à tecnologia, mas sim à constante busca pelo fim da dor e da mortalidade.

Entretanto, repito o que já falei. Eu não acredito em uma utopia onde o homem usará tudo isso para criar um mundo maravilhoso, mas sim, uma distopia cyberpunk, onde esses conhecimentos também serão usados para o mal e para concentrar o poder na mão de poucos.

O ser humano é egoísta demais para que todos juntos lutem por um mundo perfeito. E os transumanistas continuarão com seus esforços, cada vez com um problema novo para resolver.

Talvez o egoísmo seja a pior característica do ser humano e o maior desafio para o transumanismo. O que seria de nossa espécie sem ela?

Referências:

  1. Wikipédia – Trans
  2. Wikipédia – Transumanismo
  3. Wikipédia – Cyberpunk
  4. Neuromancer
  5. Admirável mundo novo
  6. Soma

Deixe seu e-mail e receba mais atualizações literária de D. R. Laucsen!