295 visualizações,  3 hoje

Não sou um cara que acredita em Astrologia, mas sempre amei o céu. Principalmente o céu durante a noite.

Muitas vezes em minha infância, meu avô me incentivou a olhar para o céu para olhar para as estrelas, e muitas vezes, ele contava as histórias da corrida espacial. Ficávamos deitados na grama e olhando para o céu, e quando algo passava se movendo, ele dizia: “Ó lá o Sputnik!”.

Talvez isso tenha me motivado a estudar as constelações famosas e o mapa estelar. As galáxias e nebulosas que só vim a observar com mais detalhes quando comprei meu telescópio. E as minhas observações mais marcantes com certeza foram: a Lua, Júpiter e Saturno. Tão marcantes que cheguei a marcá-las em minha pele.

Aconteceu que, durante uma viagem ao Rio de Janeiro, me peguei observando Júpiter à noite, e só algumas horas depois, me dei conta que estava observando Vênus, e não Júpiter. Isso me entristeceu muito, pois depois de anos, eu errei a localização de um astro no céu.

Entretanto, enquanto o dia passava, uma página de astronomia fez um comentário: “Olhem como Júpiter e Saturno estão perto da Lua hoje”. E quando peguei o meu software de observação espacial, não só identifiquei os três astros, como percebi que todos estavam muito próximos de Capricórnio. Júpiter e Saturno estavam exatamente sobre a constelação.

Comecei esse artigo falando que não acredito em astrologia, mas esse momento me pegou forte. Os três astros tatuados em meu corpo, mais capricórnio – que é meu signo e também está tatuado em meu corpo – tudo junto. Faltou apenas uma coruja piando e um lobo uivando.

Bom, no mesmo dia sonhei com a Misha – que é meu cachorro homenageado na tatuagem – e depois alimentei as gaivotas.

Talvez isso não seja uma revelação, mas ao menos estou motivado a ouvir um Helloween, Revelation.

Fica a dica!